MENU mobile

"Vamos pensar em Teresina. Eleição só depois", diz Fernando Said

O secretário de Governo detalhou o planejamento que foi feito para 2020. Segundo ele, será o melhor ano da gestão de Firmino

Reportagem de Ravi Marques

Em ano de eleição o assunto é, indiscutivelmente, a escolha de candidatos e definição de coligações.

Mas todos os prefeitos, candidatos ou não, tem um ano inteiro de desafios para enfrentar.

Em Teresina, o prefeito Firmino Filho não será mais candidato e sobre o planejamento para 2020, conversamos com o secretário de Governo, Fernando Said.

Por isso, os anos de 2019 e 2020 vão ser mais fecundos em realizações de obras efetivamente práticas. A prefeitura de Teresina hoje tem algo em torno de R$ 1 bilhão para investir este ano e nos próximos.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Baseado no orçamento que foi aprovado pela Câmara Municipal de Teresina, qual a previsão de investimento para esse ano de 2020?

FERNANDO SAID - A prefeitura de Teresina tem sempre um planejamento anual, independentemente de ser ano de disputa eleitoral. A administração tem o seu regramento próprio para manutenção dos seus serviços e para realização efetiva dos programas, projetos e obras que a cidade precisa. Tenha a certeza que esse ano não será diferente. Algumas pessoas me perguntam sobre a escolha do candidato apoiado pelo prefeito Firmino Filho, parece que esse assunto vive encrustado no seio das pessoas. Não é momento de tratar de política, mas fundamentalmente de administração. 

Nós não temos como abdicar da realização do que a Prefeitura tem como esfera de competência. A prefeitura esse ano continuará realizando suas obras e além do que foi feito nos anos anteriores do atual mandato. E o por que? Porque no meio dessa crise, os anos de 2017 e 2018, foram difíceis para a cidade de Teresina assim como para todos os municípios brasileiros. Mas no nosso caso especificamente, somos um Estado com muitas deficiências sociais e econômicas, de muitas dificuldades, então tivemos que reestruturar a máquina, fazer muitos sacrifícios, cortar na carne, para passarmos incólumes por estes dois anos. 

A partir de então, nos dedicamos a fazer o planejamento que a cidade precisa para se posicionar diante dos desafios do futuro. Por isso, os anos de 2019 e 2020 vão ser mais fecundos em realizações de obras efetivamente práticas. A prefeitura de Teresina hoje tem algo em torno de R$ 1 bilhão para investir este ano e nos próximos.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - A mobilidade urbana continua sendo uma das principais prioridades do prefeito Firmino Filho para 2020?

FERNANDO SAID - Eu não diria que é do prefeito Firmino Filho mas da cidade de Teresina. Qual é o grande mérito do prefeito Firmino Filho? Nós sabemos que temos muitos problemas. Hoje o INTHEGRA, como é chamado o nosso sistema, já evoluiu bastante, tem uma melhor aceitação da população, mas ainda tem muitos problemas. Não é fácil você mudar tudo isso, mexer no cotidiano de vida das pessoas, mudar a estrutura urbana da cidade sem ter alguns problemas. Estamos melhorando devagar, com cuidado. 

Hoje nós temos uma auditoria, a mesma que fez esse trabalho em Curitiba e outras cidades do mundo, fazendo um estudo em Teresina, para identificarmos as deficiências e tentarmos resolvê-las. Qual é o grande mérito? Nós tínhamos um problema, que era efetivamente, o maior problema de Teresina. Antes, tínhamos pouco mais de 135 mil veículos. Essa frota hoje quase que quintuplicou, é um algo absurdo. Se analisarmos o fluxo urbano, é algo que impressiona, então se não cuidarmos agora, no futuro, com um país melhor economicamente, a situação ficará incontrolável. Qual será a quantidade de carros nas ruas de Teresina? Como é que vamos andar?

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Além do INTHEGRA, quais são as outras ações de mobilidade urbana?

FERNANDO SAID - O INTHEGRA não é voltado apenas para a sistemática de transporte coletivo é um reordenamento urbano. Esse ano, a prefeitura aprovou PEDOTE, plano diretor de ordenamento territorial urbano, que está dimensionando tudo isso. Então estamos caminhando em Teresina para o futuro, é preciso ter coragem e amor pela cidade. Para fazer isso não é simples, seria muito cômodo para o prefeito Firmino Filho não mexer nessa área que afeta, num primeiro momento, a vida das pessoas, para não sofrer desgaste político.

Seria cômodo deixar para o próximo prefeito. Mas não, quando você é eleito para um cargo é preciso ter o senso de responsabilidade do homem público, que tem que ver o problema e enfrentá-lo, não jogar debaixo do tapete. Esse é o grande mérito do prefeito Firmino Filho, no que se refere a mobilidade urbana e isso vai mudar o nosso meio social, a nossa condição de vida. Quase metade da população de Teresina, por isso temos que ter um olhar diferenciado, usa o transporte coletivo. Então, temos que fazer com que ele funcione cada vez melhor, buscando sempre outras alternativas de ordenamento para nossa cidade. Então eu na tenho a menor dúvida que o INTHEGRA, em um breve espaço de tempo, será reconhecido como uma das grandes obras já realizadas na cidade de Teresina.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Como está a situação da saúde em Teresina e a relação com o governo do Estado?

FERNANDO SAID - Saúde é algo que a gente tem que olhar com muito sentimento, porque mexe com a vida das pessoas no que se refere a condição de existência e de sobrevivência. Então é algo que interfere diretamente nas atitudes nos relacionamentos. Veja que em Teresina faz tempo que não se ouve falar em graves problemas de saúde pública.

Você tem alguns problemas pontuais de atendimento, de uma questão ou outra, mas você não vê grandes e graves problemas na saúde pública do município. Isto é mérito das gestões que nós temos tido a frente da prefeitura, especialmente do Prefeito Firmino Filho. Em Teresina temos 90 unidades básicas de saúde, além das unidades de pronto atendimento, além das maternidades, hospitais e do único Hospital de Urgência Municipal do país.

Quem está fazendo um agora, é o prefeito de Salvador. Então, é preciso que a gente tenha em mente o gral de dificuldade que a prefeitura de Teresina tem para manter a saúde pública no nível que nós temos. Hoje, a saúde pública da nossa capital acolhe praticamente toda a saúde pública do Piauí. Quando falamos isso, alguns setores do governo do Estado, imaginam que estamos fazendo crítica apenas para comparar, chamar atenção para o trabalho da Prefeitura de Teresina. Não é isso, porque como eu disse anteriormente, mexe com a existência e com o emocional das pessoas. Saúde é diferente de você querer consertar um buraco na sua rua, saúde não espera, uma questão de saúde não pode esperar.

Nós temos hoje no Piauí um descalabro no interior com a saúde pública e todos buscam a solução em Teresina. Não são apenas pacientes do Piauí mas de outros estados do país também são acolhidos aqui, pelo sentimento de humanidade es também pela obrigação que temos diante do Sistema Único de Saúde. Ninguém vai se negar a atender quem precisa, o médico não vai negar atendimento a um paciente que vem do Tocantins, do Acre ou do interior do Piauí.

Isso é um fato evidente, basta andar por Teresina que você vai ver uma enormidade de pensões. Meu pai mora, como sempre morou, na Rua Coelho de Resende. Ele deve ter três ou quatro vizinhos, todos saíram porque tudo agora é pensão acolher que vem do interior para se consultar em Teresina. Você anda em uma UPA, em qualquer hospital público de Teresina, de cada 10 pacientes, somente 3 são de Teresina, o resto. O governo do Estado deve aproximadamente R$ 36 milhões do cofinanciamento para saúde pública de Teresina.

Qual é a grande vantagem que nós temos? É que todos os nomes que a mídia, que os aliados, que as pessoas comentam, são grandes nomes para esta disputa.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Foi feita uma proposta de parcelamento desta dívida?

FERNANDO SAID - Foi feito e o prefeito Firmino Filho se manifestou na APPM de forma veemente, contundente, contrária a proposta que é um calote. O governo do Estado quer dá um calote e isso é uma coisa ilógica para um governante. Na verdade a gente sabe das dificuldades imensas por conta da questão econômica que o país atravessa. Assim como nós sofremos com isso, o interior do Piauí também enfrenta essa crise financeira.

Então para prefeitos de cidades pequenas, com poucos recursos, qualquer quantia é significativa. Alguns prefeitos ficaram sem opção pensando que é melhor alguma coisa do que nada. Talvez o governo melhore seu padrão de organização administrativa e libere mais recursos para compensar esses municípios.

Para Teresina são R$ 36 milhões, é muito dinheiro. Veja o aumento que foi dado agora pelo FUNDEB do Governo Federal, de 12.84% para os professores, impacta na folha da prefeitura de Teresina de exatamente R$ 36 milhões. Para a saúde faz muita falta. Se esses recursos estivessem sendo repassados para Teresina no tempo correto, nos meses adequados, nos estaríamos investindo muito mais em saúde e poderíamos estar atendendo com muito mais eficiência o cidadão teresinense.

Mas mesmo assim, não falta o serviço de qualidade, quer seja para o teresinense, quer seja para quem vem do interior do Piauí ou de outros estados. A prefeitura de Teresina tem compromisso com sua prestação de serviços, em nenhum período da nossa gestão qualquer serviço sofreu paralisação, seja de saúde, seja de educação, que é premiada, seja de limpeza pública. Os serviços funcionam e vão continuar funcionando mesmo agora neste ano de disputa eleitoral.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - O prefeito já disse que todas as estratégias utilizadas, por exemplo, para escolher Sílvio Mendes como candidato a prefeito pela primeira vez, estão sendo utilizadas agora. Ele disse que existe um calendário, uma forma de escolher que vai ser seguida entre o final de fevereiro e início de março. Existe possibilidade de antecipação do nome?

FERNANDO SAID – Não, acredito que vai permanecer. Eu sou daqueles que defendem que em qualquer circunstância, quando você acredita em uma estratégia, deve permanecer com ela. Não tem motivo para abdicar de uma estratégia que você acredita, que você idealizou. E veja, existem algumas questões que precisam ser sentidas por quem está envolvido no processo. Primeiro é o foco na gestão. Teresina é uma cidade com muitos problemas, com muita dificuldade, nós somos uma gestão de sucesso, reconhecidamente no país e aqui. 

Porque nós não perdemos o foco daquilo que nós temos que fazer. O processo eleitoral, quer queiramos ou não, por vontade própria ou não, acaba nos envolvendo também, então a gente precisa ter foco na gestão. As pessoas ficam ansiosas por ter um candidato, principalmente agora com essa mudança na legislação eleitoral. Os presidentes de partidos e os candidatos, ficam ansiosos para conhecer o candidato, mas no caso do candidato majoritário da prefeitura, não há necessidade de anteciparmos nada. Sempre foi assim. O Sílvio Mendes, como você disse, foi lançado final de março.

Muita gente argumenta que o Sílvio não era conhecido, nem cogitado e foi escolhido como candidato. Então agora a estratégia é exatamente essa, o prefeito Firmino Filho vai analisar as pesquisas, conversar com seus aliados, com aquelas pessoas que estão envolvidas no processo e tomar uma decisão e apresentar um candidato. 

Qual é a grande vantagem que nós temos? É que todos os nomes que a mídia, que os aliados, que as pessoas comentam ou que citam, são grandes nomes, qualquer um destes que for o escolhido, terá ampla capacidade não só de seleção, mas de continuar fazendo uma grande gestão para Teresina, que é isso que nós queremos, escolher um candidato, forte, viável, que vai para a disputa eleitoral não só com grandes possibilidades de vencer a eleição mas que seja capaz de continuar fazendo uma gestão de futuro que nós queremos para Teresina. Portanto, a estratégia vai permanecer a mesma.

© 2021 . Portal Douglas Cordeiro - Os Bastidores da Notícia. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reeescrito ou redistribuido sem autorização.