MENU mobile

Kleber fala de educação e da experiência para gerir Teresina

Em fevereiro, o secretário estará representando a capital piauiense, a única do país convidada para relatar o sucesso de fazer mais com menos recursos

Reportagem de Wesslley Sales

Ainda este ano a Prefeitura de Teresina deve inaugurar 10 novas escolas, abrindo cinco mil vagas para o ensino fundamental. 

Esta é uma das missões do Secretário Municipal de Educação, Kleber Montezuma, que em fevereiro estará representando a capital piauiense, a única do país convidada para relatar o sucesso de fazer mais com menos recursos. 

Ele também abre o jogo sobre a sucessão municipal e se diz preparado para gerir a cidade.

Algum tempo atrás a gente conseguia alfabetizar nas escolas da Prefeitura menos de 50% dos alunos aos seis anos de idade. Em 2018, conseguimos alfabetizar 84% dos alunos no primeiro ano.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Teresina recebeu vários prêmios pela excelência na Educação. É um trabalho a longo prazo?

KLEBER MONTEZUMA - Sobretudo em educação as coisas não acontecem de uma hora para outra. Na Prefeitura de Teresina temos um padrão de gestão que trabalha com planejamento, organização, objetivos muitos claros do que se quer e onde quer chegar, com metas a serem alcançadas. A Educação é um bom exemplo. Tivemos ao longo dos anos bons prefeitos que tiveram na Educação um ponto forte, com bons secretários, com perfil técnico e trabalhando com planejamento. Cada gestão complementava o que a outra havia deixado para ser feito.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Então, essa continuidade parece ser um ponto positivo independente de política ou ideologia?

KLEBER MONTEZUMA - Exatamente. O que explica o sucesso da Educação em Teresina é isso. Cada gestor que chega complementa o que o outro estava fazendo. Avança e vai aprimorando. Ao longo do tempo temos essas conquistas. Algum tempo atrás a gente conseguia alfabetizar nas escolas da Prefeitura menos de 50% dos alunos aos seis anos de idade. Em 2018, conseguimos alfabetizar 84% dos alunos no primeiro ano. Agora, em 2019, conseguimos alfabetizar 87% dos alunos ao final do primeiro ano, crianças com seis anos de idade. Isso é o que acontece nas escolas particulares e não acontecia nas escolas da Prefeitura lá atrás. Como chegamos a esse resultado? Pela continuidade do trabalho, uma sequência e respeito pela coisa pública. O modelo de gestão que temos na Prefeitura é importante por isso. Teresina é uma cidade grande, difícil, onde os recursos são pequenos para se fazer as prestações de serviço na Educação, Saúde, Assistência Social, mobilidade urbana, infraestrutura. Então, o sucesso que temos é que há capacidade de gestão, de planejar e buscar os recursos de maneira que funcione. Uma crítica que se fazia à Prefeitura de Teresina é que fazia pequenas obras, como calçamento. Não existe essa coisa de pequena obra. Para nós pequena, média ou grande o importante é saber se é necessária e útil. Na rua que não tem calçamento, é importante. Onde não tem escola, a escola é importante. Veja, lá no Teresina Sul vamos entregar em fevereiro uma creche para 380 crianças estudarem. Do outro lado da BR precisava de uma escola grande. Está lá e também vai funcionar em fevereiro com vagas para 900 alunos. Então, se faz com planejamento, organização e respeitando o dinheiro público para que o que é pouco tenha as obras e serviços necessários.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - O senhor escolhe semanalmente escolas para visitas surpresas para ouvir professores e alunos. É assim mesmo?

KLEBER MONTEZUMA - Continuo nesta rotina. Aprendi isso quando era criança em Parnaíba. Eu morava próximo a uns amigos que os pais tinham uma vacaria. Havia umas vacas de leite. Eu escutava o pai deles dizendo que o boi engorda com o olho do dono. Tem que ir olhar para saber o que está acontecendo e o que precisa. Por essa razão, três vezes por semana saio de casa e vou direto para as escolas. Lá, entro nos banheiros, cozinha, salas de aulas, pátio, converso com direção, vejo o que é preciso e começo a acionar minha equipe sobre o que precisa ser feito. É importante quem está à frente de uma gestão ter este cuidado para ver o que está acontecendo. Na Secretaria de Educação da Prefeitura de Teresina são 310 escolas espalhadas pelo município. Tem escola que fica a 60 km da sede. Então, se não for lá não fica sabendo. Ainda que não seja possível andar em todas, mas os diretores sabem que você está visitando e assim um vai dizendo para outro e assim ficam se preparando para nos receber. Eu nunca digo para onde vou. Sempre chego de visita surpresa para ver a realidade. Ao invés de ficar trancado em gabinete escutando conversa, as pessoas dizendo só o que eu quero escutar, vou nas escolas porque a presença do Secretário é muito importante por fortalecer a direção e professores.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Em muitos municípios pais reclamam da nucleação. Como tem sido em Teresina?

KLEBER MONTEZUMA - Existe uma orientação do Ministério da Educação que as crianças devem estudar na escola mais próxima de sua residência. Então, precisa ter o planejamento para construir escolas e creches em locais muito habitados. Mas, não se pode fazer uma escola em cada quarteirão. Então, sempre vai ter alguém que terá que caminhar um pouco mais, outros pouco menos e sempre vai precisar de transporte escolar. A orientação do MEC é de que se o aluno é de creche só pode caminhar até 1,5 km. Depois disso precisa de transporte escolar gratuito. Se for aluno do ensino fundamental só pode caminhar 2,5 km. A prefeitura de Teresina tem a tradição de colocar transporte escolar gratuito. Ano passado mais de 12 mil alunos foram transportados diariamente. Em 2020 vamos continuar garantindo esse transporte gratuito. É um direito dele e uma obrigação nossa. Neste semestre o Prefeito Firmino Filho vai entregar 10 novas escolas. Isso para aproximar a escola do local de moradia dessas crianças.

Não se trata de projeto pessoal. O escolhido será para representar esse modelo de gestão que a Prefeitura tem, essa forma de cuidar da cidade. Meu nome está colocado, mas estou focado e a prioridade é a Educação.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - O que diferencia a Educação de Teresina das demais e a torna premiada a nível nacional?

KLEBER MONTEZUMA - A Lei de Diretrizes Básicas da Educação diz que tem que ter no mínimo 200 dias letivos e 800 horas/aulas. O Tribunal de Contas do Estado está fazendo um trabalho fantástico, verificando se todos os municípios e a rede estadual estão cumprindo essa carga horária mínima. Esse é o tempo estabelecido como necessário para que o aluno aprenda aqueles conteúdos previstos para aquele período. Se o aluno está em sala de aula a probabilidade de aprender é grande. Se encurta isso o aluno fica prejudicado. Vamos começar nossas aulas dia 3 de fevereiro e vamos até dia 22 de dezembro. Estranho muito que tem redes que começam em março e terminam em novembro. Tem coisa errada e isso prejudica os alunos. Então, é muito bom que o TCE também verifique isso agora. Isso é um diferencial. Temos uma carga horária completa e você cria todas as condições para que o aluno esteja na escola e em sala de aula. A segunda coisa é que tem que ter professores capacitados para entrar em sala de aula. A gente faz curso da universidade, aprende os conhecimentos, mas na hora de entrar na sala para ministrar aula é outro departamento. Não basta dominar o conteúdo, tem que saber como ensinar para os alunos. No nosso caso, a retaguarda familiar não está muito presente. Então, a escola tem que estar preparada para receber o aluno e tratar da melhor forma possível com professores capacitados. Outra coisa importante é que fazemos avaliações de aprendizado durante o ano letivo, de dois em dois meses. Assim podemos detectar o que os alunos sabem e o que não sabem. Essa informação é importante para tratarmos com os professores no planejamento e na capacitação para darmos o reforço naquilo que é preciso. Assim, fazemos as intervenções quando necessárias. São coisas dessa natureza, de gestão, que ajudam a gente a entender porque tem esse diferencial. Mas, de tudo mesmo é o compromisso dos nossos professores, que tem orgulho de trabalhar nas escolas da Prefeitura de Teresina e se engajam. Eles é que são os grandes responsáveis por essa transformação e as conquistas. Aliás, essas conquistas são consequência. Agora mesmo, a três dias recebi um telefonema de Brasília. Era o Secretário de Ensino Básico do MEC, Dr Jânio. Ele nos convidou para uma reunião de trabalho em Brasília dia 10 de fevereiro. O Brasil tem mais de cinco mil municípios e ele só convidou cinco secretários para esta reunião. Das capitais apenas Teresina foi convidada. Ele quer que digamos para ele o que estamos fazendo, como estamos fazendo para os professores estão ensinando com esse nível e os alunos aprendendo desta forma. Teresina tem o menor PIB per capita entre todas as capitais. Temos o maior índice de pobreza de todas as capitais. Temos o menor volume de recursos para investir na Educação. Mas, mesmo assim com essas dificuldades temos o melhor ensino entre todas as capitais. Então, eles querem que a gente vá lá em Brasília dizer como a gente faz para superar esses problemas e ter os resultados que a gente tem. Porque as pessoas dizem: ah, se não tem dinheiro ou o dinheiro é pouco não faz. Não. Nós temos o dinheiro e precisamos ter a responsabilidade na aplicação desses recursos, fazendo com que ele renda. Aqui a gente faz isso. É um conjunto de coisas que faz com que tenhamos esse resultado.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - O prefeito Firmino vem no processo de escolha do candidato à sucessão. Seu nome sempre está entre os que podem ser escolhidos. O senhor já pensou em gerir a cidade como um todo?

KLEBER MONTEZUMA - Sou funcionário da Prefeitura. Comecei a trabalhar com o professor Wall Ferraz com quem cheguei quando ele se elegeu em 1985. Tive a oportunidade de ser Secretário de Assistência Social. O Firmino era meu colega. Ele era Secretário de Finanças. Firmino se elege em 1996 e na sua primeira gestão me convida para ser Secretário de Habitação e Urbanismo. Daí ele se reelegeu em 2000 e fui convidado para ser Secretário de Educação. Agora, em 2012, Firmino volta para o terceiro mandato e convida para que eu volte a ser Secretário de Educação, onde estou até hoje. Então, tenho experiência administrativa. Conheço a prefeitura, conheço a cidade e seus problemas. Esse resultado da Educação coloca uma visibilidade muito grande e obviamente que é natural as pessoas olharem para as pessoas que estão à frente desta área. Por isso, julgo que seja natural que meu nome termine circulando junto com o de outros colegas, como o professor Charles Silveira, Fernando Said e Marco Antônio Ayres. Mas, nosso líder político é o Prefeito Firmino e é ele quem conduz o processo. Ele tem uma agenda e só em março vai dizer quem é o candidato que vai apoiar. Esse é um candidato não de si, mas de toda a equipe que faz a Prefeitura de Teresina. Não se trata de projeto pessoal. O escolhido será para representar esse modelo de gestão que a Prefeitura tem, essa forma de cuidar da cidade. Meu nome está colocado, mas estou focado e a prioridade é a Educação. Já temos 80 mil crianças matriculadas. Estou preparando 10 novas escolas para o Prefeito entregar para cidade. São cinco mil novas vagas. Então, não tem como pensar em outra coisa.

PORTAL DOUGLAS CORDEIRO - Mas, o Senhor se sente preparado para administrar a cidade?

KLEBER MONTEZUMA - Pelos problemas que a cidade tem e os recursos disponíveis, que não são muitos, é importante ter experiência administrativa. Nós estamos dizendo isso porque sabemos como funciona. Nunca uma cidade está pronta. Sempre precisa de um calçamento, uma UBS, um asfalto ou mobilidade urbana. Tem que ser capaz de corrigir na medida em que aparecem os problemas. Por isso e preciso ter pessoas com experiência em gestão pública e todos os nomes que o Prefeito está cogitando tem capacidade técnica gerencial para fazer a gestão da cidade de Teresina.

Fotos cedidas pelo Portal GP1.

© 2021 . Portal Douglas Cordeiro - Os Bastidores da Notícia. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reeescrito ou redistribuido sem autorização.