Apesar da vacina, ainda vamos viver isolados por muito tempo

A tão sonhada liberdade, voltar vida normal com segurança, está mais distante do que muita gente imagina

01 de abril de 2021, às 11:00 | Douglas Cordeiro

Mais de um ano depois da chegada da COVID-19 no Brasil, estamos vivendo a fase mais crítica e letal da pandemia.

O presidente Jair Bolsonaro continua rejeitando a proposta de criar uma coordenação nacional para que ações de combate ao novo coronavírus com governadores e prefeitos. Recentemente, já começou a questionar o seu quarto ministro da Saúde que defendeu publicamente o isolamento social.

A vacinação segue a passos de tartaruga e a insegurança sobre quantas doses serão disponibilizadas este ano, faz o sonho de atingir a imunidade de rebanho ficar cada vez mais distante.

O Brasil tornou-se o epicentro da pandemia no mundo. Novas variantes do vírus surgem e o número de mortos e contaminados segue crescendo exponencialmente. As medidas restritivas funcionam cada vez menos e são apenas paliativos que não geram mais os efeitos porque a adesão da população é cada vez menor.

Só que a tão sonhada liberdade, com segurança, está mais distante do que muita gente imagina. As vacinas, após aplicadas, precisam de um tempo para gerar imunidade, até a proteção esteja completa, o risco de contrair a infecção continua e mesmo após a imunização efetivada, com a grande quantidade de pessoas sem vacina existe uma grande possibilidade de adquirir o novo coronavírus caso as medidas de segurança não sejam mantidas.

Portanto, isolamento, distanciamento social e medidas sanitárias ainda vão continuar fazendo parte das nossas vidas. Por quanto tempo? Isso vai depender de cada um de nós.

Isolamento social ainda vai ser necessário após vacinação